Eucalipto vira poupança verde para pequenos produtores

Umuarama–PR – Desde o ano passado um projeto vem tentando por na cabeça dos pequenos produtores de Umuarama que trabalhar com o eucalipto, paralelamente a outras atividades, pode ser extremante lucrativo. Técnicos estão prevendo a falta de matéria prima para a indústria moveleira de Umuarama nos próximos anos e querem atrair uma laminadora que já investiga o potencial do município na silvicultura.

Segundo o diretor de agricultura, Claudio Marconi, Umuarama já é o segundo pólo moveleiro do Paraná, mas toda a madeira é importada. Além disso, incentivar a plantação de eucalipto foi uma maneira de aproveitar terras empobrecidas pela falta de empenho de produtores, envolvendo o cultivo até mesmo com a pecuária, no caso do silvipastoril. A plantação de eucalipto gera 10 vezes mais renda na mesma área da pecuária e sem precisar reduzir o rebanho. Hoje, um fazendeiro consegue lucrar em média R$ 700 por cabeça. Com o reflorestamento esse valor sobe pra R$ 3 mil com 10% da área plantada.

RENTABILIDADE

Desde o final do ano passado até agora já foram 300 mil plantas doadas para 110 produtores de Umuarama. Cada um recebeu no máximo 4 mil mudas a serem plantadas numa área de até dois hectares.

Para entender a rentabilidade do cultivo, primeiro é preciso levar em consideração que a madeira do eucalipto é dividida em três fases, para três finalidades.

Com cinco anos a planta pode ser utilizada apenas para a produção de lenha, custando R$40 a tonelada. Consegue-se produzir 250 toneladas por hectare que, no período, renderão R$10 mil para o produtor.

Ao esperar um pouco mais, com sete anos a planta está preparada para ser laminada e servir para o setor moveleiro. Com a maior espera também aumenta o preço da tonelada, que chega a R$120. “O produtor consegue produzir 350 toneladas por hectare tirando em sete anos R$42 mil brutos por isso”, calcula Marconi.

Mas se o eucalipto demorar 13 anos para ser cortado – cuja madeira servirá mais para a construção civil – a produtividade será de 650 toneladas por hectare. O valor da tonelada continua R$120, mas em treze anos o produtor terá uma renda bruta de R$78 mil. “São R$6 mil por hectare ao ano que o produtor irá incrementar na sua renda sem muito esforço. É uma lucratividade que só as hortaliças e algumas frutas conseguem oferecer”, avalia o diretor.

Para se ter uma ideia mais ampla dos benefícios da silvicultura, se o produtor plantar apenas um hectare de eucalipto, depois de treze anos ele terá produzido o suficiente para comprar mais sete hectares de terra, de acordo com as atuais cotações. Outra simulação de valores mostra que, no mesmo período, em um alqueire o produtor conseguirá lucrar R$300 mil.

“Quem tem eucalipto hoje está feito. Infelizmente os produtores acham que treze anos não vão passar nunca e querem o ganho imediato, mas quem olha com atenção vai ver que essa é literalmente uma poupança verde”, observa.

O chefe da divisão de agricultura, Sidney Ianke, também afirma que um pedaço de terra não agricultável pode virar economia com a variedade grandis, que está sendo usada neste projeto de incentivo. “O esforço é pequeno e é mais concentrado no início. Basta ter cuidado com as formigas, aplicar veneno e adubar”, diz.

PRODUÇÃO DE MÓVEIS

O Banco do Brasil lançou em junho uma linha de crédito direcionada ao Arranjo Produtivo Local (APL) de Umuarama e região no setor moveleiro. Intitulada Giro APL, a linha fornece o quanto for necessário e cabível às empresas para promover o desenvolvimento tecnológico, empresarial, cooperativista e, consequentemente, o enriquecimento da região.

Entretanto, segundo o presidente do Sindicato das Indústrias Moveleiras de Umuarama e Região (Simur), Wanderlei Xavier, toda a madeira utilizada na produção do município vem de fora.

De acordo com relatório do setor, a cidade consome por mês cerca de mil metros cúbicos de madeira, a maioria oriunda da região de Tibagi, que compra as toras de uma empresa chamada Klabin.

Porém, essa empresa que indiretamente “salva” a produção moveleira em Umuarama, irá dentro de quatro anos parar de fornecer a madeira, focando apenas na produção de celulose para exportação. “Por isso temos que correr contra o tempo”, alerta Marconi.

O projeto da prefeitura preconiza que dentro de quatro anos 50% dos eucaliptos de qualidade inferior sejam cortados para a produção de lenha. O restante será cortado com a idade de sete anos para a serra que abastecerá o setor moveleiro. “Estamos conversando e estudando propostas para que possamos futuramente trabalhar com madeira específica para a produção daqui”.

LAMINADORA

Diálogos já estão sendo travados com uma indústria laminadora para a sua instalação em Umuarama. Mas para isso os empresários querem garantia de matéria prima, com no mínimo 1.500 alqueires de área plantada e o manejo da cultura feito de acordo com as exigências necessárias para laminação.

EXEMPLO

Reinaldo Santos acreditou na ideia e no final do ano passado plantou quatro mil mudas. Como as plantas ainda estavam pequenas nas geadas ocorridas entre os últimos três meses, ele teve alguns problemas na plantação, mas está otimista. Se Reinaldo quiser esperar apenas cinco anos para começar a lucrar, em dois hectares ele irá capitalizar mais de R$20 mil, sem muito estresse e sem abandonar o pesqueiro do qual é proprietário e a cafeicultura.

EM NÚMEROS

300 mil

Plantas foram doadas para 110 produtores de Umuarama desde o final do ano passado

R$ 6 mil

Ao ano é o que o produtor irá lucrar com apenas um alqueire de terra

10 vezes

Mais renda o eucalipto oferece na mesma área da pecuária e sem precisar reduzir o rebanho

1 mil m³

É a média de madeira que o município consome por mês para a produção de móveis

Fonte: Umuarama Ilustrado.

Publicado em

MóveisNotíciasSustentabilidade

Gostou desse post?

Cadastre seu email e receba dicas e notícias sobre reflorestamento em seu email! (Grátis)

5 Comments

  1. Rita Pereira Machado
    Posted on: 8-3-2012

    A reportagem é fantástica. Amei. Vou pensar no assunto.

    Responder
  2. Posted on: 10-30-2012

    Senhores, tenho aqui em Nova Andradina – MS, cerca de 50 mil árvores, sendo em torno de 40 mil dos clones 224 e i144. O 224 mais velho vai completar 7 anos em março, com a maioria das árvores em torno de 0,70 cm de circunferência ou mais ou menos 22 cm de Dap. As outras 10 mil árvores são de citriodoro e estão mais novos.
    Penso em vender para serrarias ou movelarias. Se estiverem interessados, favor entrar em contato. Obrigado pela sua atenção. Pedro Arizoli.

    Responder
  3. joao saraceni
    Posted on: 1-5-2013

    tenho 34 alqueires e estou petendendo plantar tudo eucalipto a area fica localizada na estrada que liga santa isabel do ivai a umuarama passando por tapira, nova olim0ia, e maria elana, qual sera a prepectiva pro futuro. gostaria de receber informações. obregado

    Responder
  4. Douglas Canaa
    Posted on: 3-26-2013

    Estou comprando uma área de seis alqueires e gostaria de saber como fazer para adquirir as multas de eucalipto, pois tenho interesse em cultivar em 02 alqueires. Gostaria de Ter mais informação a respeito desse plantio.

    att.

    Responder
  5. wagner
    Posted on: 4-10-2013

    Olá pessoal qual será o o lucro por alqueire, com 7 anos apenas 68 mil isso. ou entendi errado por favor me ajudem…abraço

    Responder

Deixe seu comentário...

« Uso da homeopatia na Produção de Eucalipto
Pó de rocha é alternativa na cultura de eucalipto »

Redes Sociais

Agenda de Eventos

There are no upcoming events.

Parceiros

Integração Madeiras Ltda
Integração Madeiras Ltda
Integração Madeiras Ltda

Dicas em seu e-mail

Cadastre seu e-mail abaixo e receba dicas sobre reflorestamento em seu email.

Portal do Reflorestamento - Tudo sobre reflorestamento e sustentabilidade. Nós também estamos no Google+ e Facebook.